domingo, 23 de abril de 2017

Open Letter to Chimamanda Ngozi Adichie/ Carta aberta à Chimamanda

Open letter to Chimamanda Ngozi Adichie

Dear Chimamanda,
Recently you have become a powerful feminine voice in the fight against gender asymmetries which have historically conditioned women around the world, especially black women. I’ve watched with huge enthusiasm many of your interviews and some conferences and internally I felt so represented by you, not only because of your skin color but because the impact that your words had on my life experience. It is amazing to see black women standing out and having their voices legitimized among the masculinist tidal wave that surrounds and subjugates our experiences. However, one of your latest interviews promoted a real disservice to thousands of other women, including black women, who, unlike you, were born without a vagina. Given the conjuncture of your speech and, above all, the answer you gave to it, I would like to list some things that have bothered me so much.
First of all, Chimamanda, I think that it is important to make it clear that we, trans WOMEN (yes, I am a trans black woman), do not need the authorization of any other cis woman to be women. I think it is fundamental to start with this point in order to clearly understood. We do not need any one (cis men or women) to say what we are and what we can be because of the risks of falling into the trap of a single story, as you warned in one of your conferences. You spoke about the danger of a single story. So it is important to make justice to your ideas and let us speak out loud! Why is it important to score this point? One of the reasons is that, like the “vaginated women at birth” – since the term “cis”, as you claim, is not an organic part of your vocabulary – we, woman born without a vagina, have our voices silenced. But now the times are different and we want and we will speak for ourselves!
Having said this, and in the certainty that I have made myself clear enough, I would like to move on to the second point which seems even more problematic to me. As my argument moves on, I have clarity that I will return somehow to the first point as I show the inconsistencies of your discourse, in my opinion. I was quite concerned when you referred to privileges. You claimed that a trans woman was supposed to have experienced the privileges of being born a "man" or, to make justice to you words and taking into account the slippery dynamics of translation, "male", because this was written originally in Portuguese. Well, I cannot completely disagree with your statement, but I'm very worried that it sounds like a naïve, silly, and uncritical generalization. Do you know why, cis sis? Some experiences (as a matter of fact, many of them) are absolutely asymmetrical from the moment of birth. And here - assuming the risks of narrating an individualized and therefore particular experience - I would like to take my experience and put it into action with thousands of other individualized experiences to refute some of your statements. I was born into a poor family and lived most of my life in one of the most violent favelas in Rio de Janeiro (Brazil). As you may probably know, most people living in favelas are black people who grow up without adequate access to basic sanitation, health or schooling. In a sense, it is as if the lives of these people, men and women, are worthless. My mother is a black woman who did not even finish elementary school (as is the case of thousands of black women in my country). My father is a descendant of Spanish immigrants who, given the dynamics of life, could not graduate, like my mother, from elementary school. Both my father and mother have worked since childhood, without any exaggeration. For some life experiences, work is more important than school (it shouldn’t be) and I am aware that you know that as well as I do. My mother, still in her infancy, needed to go and pick up food scraps around the city with her older brother, my uncle Aderbal, to have something to eat and to feed her six younger siblings. I grew up listening to stories of how hungry she was, of how she was mistreated and how she had to deal with my grandfather's alcoholism. My father did not have a different story either. He has been working since he was eight to get something to eat as well. When I was born, in a sense, my parents' lives were better, at least that's what we always listened to. Well, at least me and my two older sisters have never starved in childhood like our parents. My father always managed to bring rice and beans to our table. My mother always brought remains food of the middle class madams’ houses where she worked and we always had something to eat, so in that sense we really were privileged. I remember that every month, my father exchanged his transportation vouchers for food in a market in Copacabana. Every month we performed a ritual of getting the 473 bus with market bags to carry shopping basket essentials. Every month I asked my parents for a packet of cookies, but I could not always buy them. But still we were privileged, if that's what you consider privilege. We had food, differently from many of our neighbors. However, the fact of having rice and beans on the table did not stop me from suffering misogyny!
I was an extremely effeminate child, with a very feminine voice and behavior. This caused me a lot of inconvenience inside and outside my home. But in my mind there was no difference between me and my sisters; we played the same games. One of our favorite games was to make mud cakes and decorate them with flowers that grew on the grounds of our house. We also played “little house” and dreamed of having the same toys that we saw in the advertisements on TV; I do not remember receiving any! One day during a hot summer in Rio de Janeiro, we were taking shower in the yard and, looking at my sisters 'genitals, I asked to my mother why my "little thing pee" was different from my sisters' “little thing pees”; the answer was quite objective: "because you are a boy". I was five years old. That statement never made any sense to me but it instilled in me a process of non-recognition, an anguish that, over time, only increased.
At the age of seven I was raped for the first time. A seventeen or eighteen-year-old boy said he wanted to show me something and stuck his fingers in my anus. It was a traumatic experience that had several harmful consequences in me. Three years later, shortly after completing ten years old, I was raped again. I will never forget the warmth of hot blood running down my legs and giving pain that was not only physical but that subjugated even my soul. By now my life was a real hell; I had become an extremely aggressive child and could not bear all the bullying I suffered. I have often sought ways to end that suffering, I have never been able to do it! Somehow, I was no longer afraid of dying, but I could never really end my life. As terrible as the rape, it was to hear from my mother that it only happened "because I wanted to be a girl and she had put an innocent in jail." I will never forget that, but for a long time I was forbidden to talk about it.
Like many women around the world, the trauma of sexual violence does not end there: we are humiliated in the police station, at the Medical Legal Institute, in the hospital when we seek help. I just thought that nothing in my life was worth it and sharp pictures of depression and violence only made me an increasingly unhappy child. But I survived, somehow I survived. I do not know if I reached complete in my teenager, but I was alive and I still had a damn penis between my legs, so as you say I really was very privileged, after all I was still alive, even if it was a living dead!
You know, Chimamanda! Since your speech I was able to reflect and realize how much I was and I am privileged to be born with a penis, I just need to know if this automatically made me a privileged person? Well, it has made me today a more sensitive person to all forms of existence, created in me an empathy for life in all its complexity. However, I wonder what is the level of this privilege especially when we come across the statistics of the young black people killed in Brazil. Of the young black people who are not in the universities. Of the young blacks that crowd the prisons of my country. So the answer to my own question is no! A penis does not automatically make us privileged people. A penis is just a sex organ symbolized and capitalized on socially shared power dynamics. And then, I come to the conclusion that we need to problematize more intensely what is privilege. This is where my life story crosses with that of millions of people around the world who seek representativeness, visibility. What is the privilege of being beaten up by just saying, as a child, that you are not really a boy? What is the privilege of not being able to access the formal education system? What is the privilege of having been denied medical care? What is the privilege of not being able to participate in the labor market? What is the privilege of not having the most basic of guaranteed rights: to pee?
In this way, I believe we have to go beyond and problematize the very notion of gender by broadening this notion and historically recognizing the origin of this device. This causes us to put into question supposedly stable, naturalized, essentialized categories such as "woman" and "man" or simply "female" or "male."
Curiously, as I was growing and getting older I realized that the flow of my life was similar (and similar does not mean the same) to thousands of women, cis or trans, no matter!
I left the house when I was fifteen. For the first time in my life I was hungry; for the first time in my life I knew what the pain of hunger was. By then I had already begun my gender transition. It was very slow and painful. I was spit on; I got punches in the eyes and in the stomach. I lived alone in a very poor shack and had to choose if the instant noodles I bought thanks to the sale of cans and cardboard would be eaten at lunch or dinner. As time went by, I met other transgender women, some had to become prostitutes - and prostituted themselves since childhood - others lived on crumbs and the non-recognition of their family. Our histories, although private and individualized, were composing a common cartography, a plan of immanence peculiar to the potentialities of trans experiences. We had many dreams, some unfortunately had their dreams interrupted as they were being slaughtered thanks to our everyday transphobia. One of those was my first trans friend, Carol. Carol was sixteen and had been taking hormones since the age of nine. Carol was beautiful and cheerful, but one day her body was found stretched out on the asphalt of Brasil Avenue, one of the main streets in Rio de Janeiro; "A car started firing, she died with a bullet in the head," I was informed by another friend who had burnt marks on her arms. But according to what you propose we had our share of privilege for having been born with a penis. I never prostituted myself, although this often crossed my head given the pain of hunger and the anguish of not knowing if I could pay the hundred reais of my rent at the end of each month. I always had to choose; or I eat or I pay the rental. I slept on the street for a while; I was very scared. I cried copiously. But I had faith that someday everything would change. It changed, but that's another story. The fact that I did not prostitute myself was not only because I was afraid to have the same destiny as my first trans friend, but because we, trans WOMEN, learned that we need to hate our bodies so we can be legitimated as a woman or something close to that because this category is supposed to be so essentialist that a simple affirmation (I am girl / woman) puts at risk the symbolic structure of a much larger group of people. As if the utterance “I am a woman” would put at risk all the rights and achievements of thousands of other “vaginated women at birth”. We know very well that it is not correct, don’t we, cis sis!? But trans subjectivity is permeated by the authorization of an alterity that is supposed to be more legitimate, genuine. And so, not only our bodies, but our voices and our experiences always pass through the sieve of an expert. In order to have our names, and even our morphological sex, legally recognized, we have to deal with the ghost of the medical reports about everything in our lives. These medical reports not only pathologize us, but also take away our ability to speak about our desire for recognition, our legitimacy as thinking beings, actively and humanly capable of taking control of our own lives. There is much privilege in having your voice reduced by the importance of the gender expert, don’t you think so?
Notice then that we return to the gender problem again. I do not require and cannot stand the invasiveness of saying what someone should or should not read, but I am encouraged to say that I was pleased to read papers by Teresa de Lauretis and Paul B. Preciado in addition to, of course, texts produced by transgender women, black or not, from Brazil or from other corners of the world, where the gender dispositif was historically placed in debate. So, in addition to how the world treats us, as you put it, I can understand gender as a laboratory device forged to feed the bowels of capitalism, to homogenize and empty of meaning our own experiences in order to homogenize everything for its own sake, for its own interest, for the sake of a hegemonic interest. I agree with you when you say that our experiences are not homogeneous, but I say that it is necessary to make clear that any experience, cis or trans, is always singular, always powerful, always a cartography that registers rhizomatically at the same time that we act our own bodies and our voices with the world. And in that sense, I find it foolish and unnecessary to insist on the debate on the legitimacy of identities and trans bodies given the delicate side that we women, all of us, are! And this does not mean hierarchizing our suffering or our anguishes, but giving a warning sign to the discourses that have more to contribute to the other side (do not understand as good or evil, in a dichotomous logic), with the side of capitalist supremacy that historically subjugated all of us!
Therefore, politically it is important that we defend "womanhood". It is important to recognize the necro politics that historically encloses our experiences in certain spaces or places and thus we fight to combat the forms of oppression that capture all women. If we do not delve into ideas such as privilege, gender, and (anatomical) sex, we are at risk of perpetually reproducing the hegemonic discourse that remains since World War II, created and expanded in the laboratory or in the corridors of factories, which authorizes violence against our bodies or asymmetries in the labor market, for example. Equally damaging, we run the risk of insisting on a single, universal, dichotomous and masculinist story!
Finally, I'd like to end by saying that I do not think you're transphobic in any way. But it is important and extremely relevant to say that your speech has the powerful and dangerous capacity to feed the transphobic thought that crushes our experiences and reduces us to mere simulacra, essentializing and territorializing everything. Let us speak for ourselves, help us join forces!
A big kiss, with affection!


VERSÃO EM PORTUGUÊS
Carta aberta à Chimamanda Ngozi Adichie
Querida Chimamanda,
Sei que ultimamente você tem sido uma voz feminina poderosa em prol da diluição das assimetrias de gênero que historicamente condicionou mulheres ao redor do mundo, especialmente mulheres negras. Vi com muito entusiasmo muitas de suas entrevistas e algumas conferências e internamente me senti representada por você, não apenas em função da sua cor de pele, mas pelo impacto que suas palavras provocaram na minha experiência de vida. É muito bom ver mulheres negras se destacando e tendo suas vozes legitimadas meio ao maremoto masculinista que nos circula e nos subjetiva. Contudo, uma de suas últimas entrevistas soou como um verdadeiro desserviço a milhares de outras mulheres, inclusive negras, que, diferente de você, nasceram sem vagina. Tendo em vista a conjuntura do seu discurso e, sobretudo, a resposta a ele; gostaria de pontuar algumas coisas que me incomodaram demasiadamente.
Em primeiro lugar, Chimamanda, nós MULHERES trans (sim, eu sou uma mulher trans negra) não precisamos da autorização de nenhuma outra mulher cis para sermos mulheres. Penso que é fundamental começar com esse “clarifying” para fazer com que minhas palavras não sejam destorcidas e serem claramente entendidas. Não precisamos que nenhuma pessoa (mulher ou homem cis) diga o que somos e o que podemos ser, sobre os riscos de cairmos nas armadilhas de uma história única ou, como você mesma alerta numa de suas conferências, para ficarmos atentas ao “the danger of a single story”. Por que é importante pontuar isso? Porque assim como as “mulheres vaginadas” – já que o termo “cis”, como você afirma, não é parte orgânica do seu vocabulário – nós, mulheres que nascemos sem vagina, temos nossas vozes silenciadas. Mas agora, ainda bem, os tempos são outros e queremos e vamos falar por nós mesmas! 
Tendo dito isto, e na certeza que me fiz clara o suficiente, gostaria de partir para o segundo ponto que me parece ainda mais problemático, com a consciência tranquila que retornarei ao primeiro ponto na medida em que for destrinchando as inconsistências do seu discurso. Fiquei bastante preocupada quando você se refere ao tema privilégio, alegando que supostamente uma mulher trans experimentou os privilégios por ter nascido como "homem" ou, para fazer jus à sua palavra e levando em consideração as dinâmicas texto-gramaticais de uma tradução, “male”, se assim preferir. Bom, eu não posso discordar 100% da sua afirmação, mas fico muito preocupada que ela soe como uma ingênua generalização tola e pouco crítica. Sabe por quê, companheira? Porque algumas experiências, para falar a verdade muitas, são absolutamente assimétricas desde o momento do nascimento. E aqui – assumindo os riscos de narrar uma experiência individualizada, portanto particular – gostaria de tomar a minha vivência e coloca-la em agenciamento com outras milhares e milhares de experiências individualizadas, para retomar algumas de suas afirmações. Eu nasci pobre numa das mais violentas favelas do Rio de Janeiro, como você deve saber a maior parte das pessoas que vivem na favela são pessoas negras que crescem sem acesso adequado à saneamento básico, à saúde ou à educação. Em certo sentido, é como se a vida dessas pessoas, homens e mulheres, valessem menos. Minha mãe é uma mulher negra que sequer concluiu a antiga quarta série do ensino fundamental. Meu pai é um descente de imigrantes espanhóis que, dada as dinâmicas da vida, não pôde concluir, como minha mãe, o ensino fundamental. Tanto meu pai como minha mãe, trabalharam desde crianças, sem qualquer exagero. Para algumas experiências de vida, o trabalho é mais importante que a educação e tenho consciência que você sabe tão bem disso quanto eu. Minha mãe, ainda em sua infância, precisava ir catar restos de comida nas feiras da cidade com seu irmão mais velho, meu tio Aderbal, para terem o que comer e também alimentar seus outros seis irmãos mais novos. Eu cresci ouvindo o quanto ela passou fome, foi abusada e teve que lidar com o alcoolismo do meu avô. Meu pai também não teve uma história diferente. Trabalhava desde os oito anos de idade nas obras para ter o que comer. Quando eu nasci, em certo sentido, a vida dos meus pais estava melhor, pelo menos era isso que nós sempre ouvíamos. Bom, ao menos eu e minhas duas irmãs mais velhas, jamais passamos fome na infância como nossos pais. Meu pai jamais deixou faltar arroz e feijão. Minha mãe sempre trazia os restos das casas das madames que ela trabalhava e sempre tínhamos algo para comer, então, nesse sentido, realmente éramos privilegiados. Lembro que todo mês, meu pai trocava seus vales transporte por alimento em um mercado em Copacabana. Todo mês cumpríamos um ritual de pegar o 473 com bolsas de mercado com a cesta básica. Todo mês eu pedia aos meus pais um pacote de biscoito, mas nem sempre dava para comprar. Mas ainda assim, éramos privilegiados, se é isso que você considera privilégio. Tínhamos comida diferente de parte dos nossos vizinhos. Contudo, o fato de ter arroz e feijão na mesa, não fazia com que eu deixasse de sofrer misoginia, pasmem! 
Eu era uma criança extremamente efeminada, com voz e jeito muito femininos. Isso me gerava muitos transtornos dentro e fora de casa. Contudo, na minha cabeça não existia qualquer diferença entre eu e minha irmãs; brincávamos das mesmas coisas. Uma de nossas brincadeiras favoritas era fazer bolinho de lama e enfeita-lo com flores que cresciam no terreno de nossa casa. Também brincávamos de casinha e sonhávamos em ter os mesmos brinquedos que víamos nas propagandas da Estrela na TV, não lembro de ter ganho nenhum! Um dia durante um verão escaldante do Rio de Janeiro, tomávamos banho no quintal e, ao observar a genitália das minhas irmãs, eu perguntei a minha mãe porque o meu “pipi” era diferente do “pipi” das minhas irmãs; a resposta foi bastante objetiva: “por que você é um menino”. Eu tinha cinco anos de idade. Aquela afirmação jamais fez qualquer sentido para mim mas instaurou em mim um processo de não reconhecimento, uma angústia que, com o passar o tempo, só fez aumentar. 
Aos sete anos de idade eu fui violentada pela primeira vez. Um menino de dezessete ou dezoito anos disse que queria me mostrar algo e enfiou dedos em meu ânus. Foi uma experiência traumatizante que teve diversas consequência nefastas em mim. Três anos mais tarde, pouco depois de completar dez anos de idade, eu sofri novamente um estupro. Nunca vou esquecer do calor do sangue quente escorrendo pelas minhas pernas e dar dor que não era apenas física, mas que que subjugava inclusive minha alma. A esta altura a minha vida era um verdadeiro inferno, eu já tinha me tornado uma criança extremamente agressiva e não suportava mais todo o bullying que sofria. Muitas vezes busquei meios de encerrar aquele sofrimento, nunca consegui! De algum modo, eu já não tinha mais medo de morrer, mas nunca consegui de fato encerrar a minha vida. Tão terrível quanto o estupro, foi ouvir de minha mãe que aquilo só aconteceu “porque eu queria ser uma menina e que ela tinha colocado um inocente na cadeia”. Eu nunca vou esquecer disso, mas durante muito tempo fui proibida de falar sobre isso.
Como muitas mulheres mundo afora, o trauma pós violência sexual não se encerra aí: somos humilhadas na polícia, no Instituto Médico Legal, nos hospitais quando vamos buscar ajuda... Eu só pensava que nada na minha vida valia a pena e quadros agudos de depressão e violência só me tornavam uma criança cada vez mais infeliz. Mas eu sobrevivi, de algum modo sobrevivi. Não sei se cheguei inteira na minha adolescência, mas eu estava viva e ainda tinha um maldito pênis entre as pernas, então como você diz eu realmente fui muito privilegiada, afinal ainda estava viva, mesmo que uma morta-viva!
Sabe, Chimamanda! A partir do seu discurso pude refletir e perceber o quanto eu fui e sou privilegiada por ter nascido com um pênis, isso automaticamente me fez uma pessoa privilegiada? Isso me fez hoje uma pessoa mais sensível a todas as formas de existir, criou em mim uma empatia pela vida em toda sua complexidade. No entanto, eu fico pensando qual é o nível desse privilégio sobretudo quando nos deparamos com as estatísticas dos jovens negros mortos pelo Brasil afora. Dos jovens negros que não estão nas universidades. Dos jovens negros que lotam os presídios do meu país. Então a resposta a minha própria pergunta é não, um pênis não nos torna automaticamente pessoas privilegiadas. Um pênis é apenas um órgão sexual simbolizado e capitalizado nas dinâmicas de poder socialmente compartilhadas. E aí, eu chego a conclusão que precisamos problematizar mais densamente o que é privilégio. É aqui que minha história de vida cruza com a de milhões de pessoas pelo mundo que buscam por representatividade, por visibilidade. Qual é o privilégio em ser espancada por apenas dizer, ainda na infância, que na verdade você não é um menino? Qual é o privilégio de não poder acessar o sistema formal de educação? Qual é o privilégio de ter atendimento médico negado? Qual é o privilégio de não poder participar do mercado de trabalho? Qual é o privilégio de não ter o mais básico dos direitos garantidos: o de fazer xixi?
Deste modo, acredito que temos que ir além e problematizar a própria noção de gênero. Ampliando essa noção e reconhecendo historicamente a origem desse dispositivo. Isso faz com que coloquemos em questão categorias supostamente estáveis, naturalizadas, essencializadas como “mulher” e “homem” ou, simplesmente “female” ou “male”.
Curiosamente, a medida que eu ia crescendo eu ia percebendo que o fluxo da minha vida era semelhante (e semelhante não quer dizer igual) ao de milhares de mulheres, cis ou trans. 
Eu saí de casa aos quinze anos de idade. Pela primeira vez na vida eu senti fome, pela primeira vez na vida eu soube o que era a dor da fome. A essa altura eu já havia iniciado minha transição. Foi muito lenta e dolorosa. Eu fui cuspida, eu recebi socos nos olhos e no estômago. Eu vivia sozinha num barraco e tinha que optar se o macarrão instantâneo que comprei graças a venda de latinhas e papelão seria comido no almoço ou na janta. Ao passar do tempo conheci outras mulheres trans, algumas precisavam se prostituir – e se prostituam desde a infância – outras viviam com as migalhas e com o não reconhecimento de sua família. Nossas histórias, apesar de particular e individualizadas, ia compondo uma cartografia comum, um plano de imanência peculiar às potencialidades das vivências trans. Tínhamos muitos sonhos, algumas infelizmente tiveram seus sonhos interrompidos à medida que iam sendo dizimadas graças à transfobia nossa de cada dia. Uma dessas foi minha primeira amiga trans, Carol. Carol tinha dezesseis anos e tomava hormônios desde os nove. Carol era linda e alegre, mas um dia seu corpo foi encontrado estirado no asfalto da avenida Brasil; “um carro passou atirando, ela morreu com um tiro na cabeça”, foi o que me informou uma outra amiga que tinha marcas de queimadura nos braços. Mas, de acordo com o que você propõe tivemos nossa parcela de privilégio por termos nascido com pênis. Eu nunca cheguei a me prostituir, embora isso tenha passado muitas vezes pela cabeça dada a dor da fome e angústia de não saber se poderia pagar os cem reais do meu aluguel ao fim de cada mês. Eu precisava sempre optar; ou como ou pago o aluguel. Dormi na rua durante um tempo, senti muito medo. Chorei copiosamente. Mas tinha fé que um dia tudo mudaria. Mudou, mas isso é outra história. O fato de eu não me prostituir não era só porque eu sentia medo de ter o mesmo destino de minha primeira amiga trans, mas porque nós, MULHERES trans, aprendemos que precisamos odiar nossos corpos para podermos ser legitimadas como mulher ou algo perto disso porque essa categoria é, supostamente, tão essencialista que uma simples afirmação (eu sou menina/mulher) põe em risco a estrutura simbólica de um grupo muito maior de pessoas. Como se o fato de eu me assumir mulher coloque em jogo todos os direitos e conquistas de outras milhares de mulheres vaginadas. Sabemos muito bem que não, não é querida companheira!? Mas a subjetividade trans é permeada pela autorização de uma alteridade que supostamente é mais legitima, genuína. E assim, não apenas nossos corpos, mas nossas vozes e nossas experiências passam sempre pelo crivo de um especialista. Já não bastasse a dificuldade para termos nossos nomes, e mesmo o sexo, reconhecidos juridicamente, temos de lidar com o fantasma dos laudos para tudo em nossas vidas. O laudo não apenas nos patologiza, mas retira de nós a capacidade de pontuar nosso desejo de reconhecimento, nossa legitimidade enquanto ser pensante, ativamente e humanamente capazes de tomar as rédeas de nossas próprias vidas. Há muito privilégio em ter sua voz reduzida à importância do especialista em gênero e sexualidade! 
Perceba, então, que novamente retornamos ao problema de gênero. Eu não requisito e não suporto a posição impositiva de dizer o que alguém deve ou não ler, mas me sinto encorajada em dizer que tiver muito prazer em ler textos como o Teresa de Leuretis e Paul B. Preciado além, é claro, de vários outros textos produzidos por mulheres trans, negras ou não, do Brasil, ou do mundo, onde o dispositivo de gênero foi colocado historicamente em debate. De modo que, para além de como o mundo nos trata, como você mesma diz, eu possa entender gênero como um dispositivo laboratorial forjado para alimentar as entranhas do capitalismo, homogeneizar e esvaziar de sentido nossas próprias experiências afim de planificar tudo em prol de seu próprio interesse, em prol de um interesse hegemônico. Eu concordo com você quando você diz que nossas experiências não são homogêneas, mas afirmo que é preciso deixar claro que toda e qualquer experiência, cis ou trans, é singular, sempre potente, sempre uma cartografia que se inscreve rizomaticamente ao mesmo tempo que agenciamos nossos corpos e nossas vozes com o mundo. E nesse sentido, considero tolo e desnecessário insistirmos no debate sobre a legitimidade das identidades e dos corpos trans dado o lado delicado que nós mulheres, todas nós, estamos! E isso não significa hierarquizar nosso sofrimento ou nossas angústias, mas dar um sinal de alerta aos discursos que tem mais a contribuir com o outro lado (não entenda como bem ou mal, numa lógica dicotômica), com o lado da supremacia capitalística que historicamente subjugou todas nós! 
Logo, politicamente é importante que defendemos uma “mulheridade”. É importante reconhecer o caráter necropolítico que historicamente encerra nossas experiências a determinados espaços ou lugares e, assim, lutemos para combater as formas de opressão que capturam todas as mulheres. Se não aprofundarmos ideias como privilégio, gênero e sexo (anatômico) corremos o risco de reproduzir perpetuamente o discurso hegemônico que remanesce do pós guerra, criado e ampliado em laboratório ou nos corredores das fábricas, o mesmo que autoriza a violência contra nossos corpos ou as assimetrias no mercado de trabalho, por exemplo. Igualmente danoso, corremos o risco de insistirmos numa história única, universal, dicotômica e masculinista! 
Por fim, eu gostaria de encerrar dizendo que eu não acho de forma alguma que você seja transfóbica. Mas é importante e extremamente relevante dizer que o seu discurso tem a capacidade de alimentar com muito mais potência justamente o pensamento transfóbico que cotidianamente esmaga nossas vivências e nos reduz a meros simulacros. Que essencializam e territorializam tudo. Deixe que nós falemos por nós, ajude-nos a somar forças! 
Um beijo grande, com carinho!

Nenhum comentário:

Postar um comentário